Ano Novo Chinês – A Lenda do Monstro Nian (1)

By Rafael • • 11 dez 2012

Lila Schwair Professora de Caligrafia – Sociedade Taoísta do Brasil

Jornal Tao do Taoísmo – n. 18 índice

Diz o mito que há milhares de anos atrás existia um monstro chamado Nian. As pessoas o temiam muito, pois era feroz e devorava tudo e todos que encontrava à sua frente. A sua fome era insaciável. Hibernava durante o ano inteiro nas profundezas da floresta e só saia de lá uma noite por ano para se alimentar. Era sempre uma noite de lua nova (2) quando rastejava para as aldeias apavorando a população. Sabendo do fato de que Nian não gostava de vermelho, as pessoas pintavam as entradas de suas casas desta cor ou então penduravam panos em volta para afugentar o monstro. Faziam também grandes fogueiras nas quais jogavam varas de bambu para que explodissem e amedrontassem Nian. Assim as famílias ficavam de vigília esperando temerosamente a noite passar na esperança de poder viver mais um ano em paz.

Criou-se assim o costume de celebrar o ano novo chinês!

A sua importância corresponde mais ou menos à do Natal no Ocidente. É uma festa mais íntima, quando toda a família se reúne e, em volta da mesa, com um delicioso banquete, comemoram a passagem de mais um ano.

No período que antecede esta data é imprescindível que se faxine e arrume a casa. É o momento de livrar-se de “tralhas” antigas abrindo espaço para entrar o novo. Também se limpam os altares (3), e as oferendas para os antepassados nesta época devem ser mais ricas do que o normal. Lembrando as portas pintadas da lenda, é também costume colocar duas ou três faixas vermelhas de papel emoldurando nas entradas de moradias e templos. Nelas vêm escritas mensagens ou poemas ligados à renovação e à esperança, como no caso do poema abaixo, O Dia do Princípio. Um dos mais comuns destes assim chamados selos de proteção é o ideograma Primavera que as pessoas propositalmente colocam de cabeça para baixo, pois a pronúncia de “primavera invertida” tem o mesmo som de “a primavera chegou” (Chun dao le).

Os bambus na fogueira deram origem aos rojões. Os chineses adoram rojões. É uma forma que encontraram para simbolicamente afugentarem os “maus espíritos” e se protegerem. Soltam-nos não somente na noite de passagem do ano novo, mas também durante as próximas duas ou três semanas, a qualquer hora do dia ou da noite. É a época em que os estabelecimentos comerciais reinauguram as suas lojas após um curto período de férias. Muitas vezes, o dono do estabelecimento pede para um astrólogo calcular a hora mais favorável para reabrir o negócio, daí ouvirem-se rojões às quatro da madrugada ou então às onze da manhã, em plena calçada… É também época em que mais se realizam casamentos (com datas e horários também calculados pelo astrólogo).

No primeiro dia do ano todos exibem uma roupa nova no corpo, muitas vezes de cor vermelha. Visitam-se os parentes e amigos mais próximos como, conforme a lenda, faziam os seus antepassados para ver quem sobreviveu… Nesta ocasião as crianças recebem de todos os seus parentes um envelope vermelho contendo uma quantia (relativamente alta) de dinheiro. Os pais ensinam a seus filhos que este dinheiro deve ser poupado e só usado mais no futuro.(4)

Talvez o monstro Nian nunca tenha existido, mas ainda nos nossos dias há muitos “monstros” por aí, interiores e exteriores… Enfrentar o que mais tememos para poder, após a batalha, viver em harmonia consigo próprio e com os outros é uma capacidade inata do ser humano. É tendo coragem e acreditando na sua força interior que a noite mais escura poderá, um dia, tornar-se uma imensa luz…

(1) Em chinês, a palavra “ano” é “nian” e a palavra “ano novo” é “guo nian” (passagem do Nian). (2) Noite da lua nova mais próxima ao dia em que o sol passa pelo décimo quinto grau de Aquário, método usado até hoje para calcular o dia do ano novo chinês. (3) É muito comum na China ter um altar em casa. (4) É costume na China, em vez de presentes, oferecer um envelope vermelho com dinheiro. Só em casos de falecimento são oferecidos aos familiares envelopes brancos.

O DIA DO PRINCÍPIO

Wang An Shi

Ao som dos rojões de bambu termina mais um ano.
O vento da primavera anuncia a vinda do calor em Tu Su (6).
A claridade do dia entra por mil portas e dez mil janelas.
Todos os anos colocamos novos ramos de flor de pessegueiro
e trocamos os velhos selos de proteção.
(5) Wang An Shi (1021–1086 d.C.) foi um grande literato, intelectual e político da dinastia Song (960–1127 d.C.).

(6) Tu Su é o nome de uma cidade na China.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *