Chá, A História e a Lenda

By Rafael • • 11 dez 2012

A primeira chávena umidece meus lábios e minha garganta; A segunda chávena expulsa a solidão; A terceira chávena limpa de minha mente palavras e livros; Na quarta xícara, eu começo a transpirar – os problemas da vida evaporam através dos meus poros; A quinta xícara purifica todo o meu ser; Seis xícaras e estou no reino Divino; Sete xícaras – ah, mas não posso beber mais: Posso apenas sentir a agradável brisa soprando através das minhas mangas, Conduzindo-me de volta para a Ilha da Imortalidade!

Lu Tong, poeta do sec. VII Extraído da obra “Gratidão pela Dádiva do Chá Fresco”

Jornal Tao do Taoísmo – n. 13 índice

O chá é antigo como a Medicina Chinesa. Há mais de 2.000 anos atrás, o lendário agricultor Shen Nong catalogou todas as plantas medicinais da China. Ele próprio experimentou cada uma das plantas, tomando em seguida uma xícara de chá para neutralizar alguma possível toxidade. (A não ser que você seja uma divindade proto-histórica e um agricultor lendário, por favor não tente fazer isso!)

Shen Nong sentiu o efeito que cada planta tinha sobre o seu “chi” e registrou esses efeitos no seu Shen Nong Ben Cao Ching (Tratado de Fitoterapia de Shen Nong). A edição desse clássico em uso hoje em dia data de uma compilação feita por um famoso alquimista e Imortal taoísta que viveu entre os anos 452 e 536, intitulada Tao Hong Ching, e continua sendo uma importante fonte de informação sobre o chá.

O chá tem sido há muito tempo associado com a prática da meditação. Segundo uma lenda budista, o grande monge Boddhidharma (sec. V d.C.) uma vez adormeceu durante o nono ano de meditação. Quando acordou, ficou tão aborrecido consigo mesmo que cortou suas pálpebras. Elas caíram no chão e assim nasceu a primeira planta de chá na China. Desde então, o chá tem sido usado para manter os monges budistas e taoístas em meditação conscientes e despertos. Mas na realidade, o chá é um pouco anterior ao Boddhidharma, já que é mencionado pelo menos uns 800 anos antes no Shi Ching (Livro de Poemas). A cerimônia chinesa do chá tem também profundas raízes no Taoísmo. Quando o Imortal taoísta Lao Tzé partiu rumo ao deserto ocidental em busca do Tao, o oficial da fronteira no Portão Oeste ofereceu-lhe a primeira xícara de chá cerimonial quando ele escreveu eterno clássico Tao Te Ching, (O Livro do Caminho e da Virtude).

Como Preparar o Chá: São necessários três ingredientes para o preparo de uma deliciosa e saudável xícara de chá: bom chá, boa água e técnica adequada.

Bom Chá: Procure usar um chá de folhas inteiras provenientes de uma única região, “chá de uma única procedência”, ao invés dos chás moídos e misturados como aqueles usados no chá em saquinhos.

Os bons chás de folhas inteiras são colhidos manualmente duas folhas por vez. São necessárias mais de 1.000 folhas para 220 g de chá.

Boa Água: De acordo com o Livro do Chá (Cha Ching), que data do sec. VIII, a melhor água para o preparo do chá é a água das fontes e riachos das montanhas.

A segunda melhor é aquela dos rios distantes de habitações humanas, seguida pela água de poço.

No mundo atual, é preciso modificar essa visão. A melhor água é aquela das fontes das altas montanhas que passou por rigorosos testes em relação à contaminação química e orgânica, em seguida vem a água pura de poço, e por fim a água de torneira filtrada, após deixá-la correr por pelo menos trinta segundos.

Aqueça sempre a água para o chá em chaleira de aço inoxidável ou pirex. Nunca use alumínio.

Não use água fervendo para o chá verde fermentado ou semi-fermentado, pois a água em ebulição “cozinha” as folhas e estraga o sabor.

A melhor temperatura da água para o chá verde fermentado é de 75 a 80 ºC, e para o chá semi-fermentado, de 85 a 92 ºC.

Para o chá preto a água deve estar borbulhando, isto é, próxima do ponto de ebulição. Use água fervendo para a infusão do chá do tipo Pu Erh.

Jogue a água sobre o chá assim que estiver no ponto certo de aquecimento, e mantenha a água aquecida para outras infusões em calor brando.

Técnica Adequada: Existem dois métodos informais para a preparação do chá.

A maneira mais simples e mais conveniente de preparar o chá é usar uma caneca de cerâmica com uma tampa para conservar o chá quente.

Colocar uma colher de chá de folhas na caneca. Encher a caneca com água quente.

As folhas vão subir e flutuar na superfície da água. Quando afundarem novamente, liberando uma coloração e um aroma suave, o chá está pronto.

Quando terminar o chá, acrescente mais água. As folhas de chá podem ser colocadas em infusão até três vezes sem perder o sabor e a fragrância.

A segunda infusão é, em geral, a mais gostosa. Se você está usando um bule para chá do tipo ocidental, primeiramente aqueça o bule todo, inclusive a tampa, com água quente.

Junte uma colher de chá de folhas para cada xícara de água que você acrescentar. Despeje a água quente e deixe em infusão por uns três minutos.

Em ocasiões formais, tomar chá pode ser uma arte e uma forma de meditação chamada “Chá Kung Fu”.

O termo “Kung Fu” não se refere apenas às artes marciais chineses, mas a qualquer disciplina que requeira paciência, perseverança e uma longa prática. No “Chá Kung Fu” você usa um pequeno bule com folhas de chá até a metade.

O chá é bebido em chávenas bem pequenas. A idéia não é beber uma grande quantidade de chá, mas sim saborear verdadeiramente a experiência do chá.

Para o Chá Kung Fu, o utensílio mais importante é o pequeno bule de cerâmica, de um tamanho entre uma laranja e um grapefruit, o suficiente para conter de uma a duas xícaras de água.

Os melhores bules são procedentes de Yi Xing, na província de Jiangsu, onde a argila vermelha da região tem sido usada para a confecção de bules pelo menos desde o ano 1500. Esses bules não vitrificados revelam as tonalidades da terra e da estação com o tempo e o uso. Eles mantêm o calor, o sabor e o “chi” do chá como nenhum outro utensílio.

Você vai precisar também de algumas chávenas minúsculas (de preferência de porcelana), uma caneca estreita sem tampa para usar no processo de decantação, uma tigela grande o suficiente para colocar o bule dentro, e uma toalhinha para secar algum líquido que derrame.

Uma vez reunidos todos os utensílios, escalde cuidadosamente as chávenas e a parte externa do bule com água quente.

Encha o bule com as folhas de chá até a metade. Use sempre uma colher, pois o óleo de suas mãos pode afetar o gosto e o frescor do chá. Se você colocar folhas demais, elas vão obstruir o bico do bule. Encha o bule com água quente, e após dez segundos escorra essa água e jogue fora.

Coloque novamente água quente no bule. Tampe o bule e coloque-o na tigela. Despeje água quente na tigela, até atingir o nível de 2,5 a 4 cm de água na tigela. Isso ajuda a manter o calor e o sabor no bule. Deixe em infusão por cerca de um minuto. Jamais agite o chá. Levante o bule e delicadamente faça movimentos circulares em volta da tigela. Coloque o chá nas chávenas, e verta o resto no decantador.

Enquanto beber o chá, despeje mais água quente no bule. Deixe em infusão de um minuto a um minuto e meio.

Cada vez que acrescentar mais água, pode deixar em infusão por um tempo um pouco mais longo, nunca ultrapassando 3 ou 4 minutos.

Você pode recolocar água no bule sete vezes ou mais até que se perca o sabor e o aroma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *