Ideogramas Arcaicos & I Ching

By Rafael • • 11 dez 2012

“Estudar o sentido dos hexagramas através dos ideogramas arcaicos, das imagens e textos clássicos, permite desvendar a verdadeira compreensão do Tratado Das Mutações, penetrar o mistério e encontrar o Caminho.”

Lélia Santos Professora de I Ching/Hexagramas Sociedade Taoísta do Brasil

hexagrama

Guan: a contemplação

A seguir, trecho inédito do livro “I Ching, hexagramas” de Wu Jyh Cherng:

O hexagrama guan é extremamente importante porque inspirou uma série de conceitos fundamentais do taoísmo e do confucionismo. É um hexagrama que trata da relação daquele que está exibindo-se, em cima, com aquele que o está observando, em baixo. O seu simbolismo se define a partir dessa questão fundamental de exposição, de exibição. O ideograma 觀, correspondente ao hexagrama, é formado por 雚, que não tem um significado especifico, portanto uma idéia básica conforme o ideograma do lado e o ideograma 見, formado, na parte superior, por um olho na vertical e que significa enxergar, perceber, ver, visão no eixo da consciência, visão transcendental e, na parte inferior, por um ideograma que significa homem em movimento.

A idéia é a de um homem que se movimenta pela visão. As duas partes juntas mais 雚 trazem a idéia de observar, olhar silenciosamente. Quando olhamos para alguém, a nossa energia sai em direção à essa pessoa, o mesmo acontecendo na situação inversa.

Assim todas as manifestações na natureza. Existe um furto mutuo de energia entre os seres. Diz o Yin Fu Ching – Tratado de união oculta que “o céu e a terra são aqueles que furtam os dez mil seres. Os dez mil seres são aqueles que furtam os homens. Os homens são aqueles que furtam os dez mil seres”. Isso quer dizer que o céu e a terra furtam os dez mil seres e os homens.

O céu e a terra podem ser compreendidos como o destino maior. O céu corresponde ao movimento dos astros e a terra ao movimento do planeta, então, quando o grande destino está em movimento, carrega todos os seres com ele. No entanto, entre os homens e os dez mil seres existe um roubo mútuo, uma troca de energia constante que pode ser equilibrada ou desequilibrada. O ideograma 雚 está relacionado a dois outros ideogramas que são: 灌, que significa irrigar, encher de água um espaço, um conteúdo e 權, que significa poder, um conteúdo interior.

Associando os ideogramas relacionados, podemos perceber, nesse sentido, que a contemplação implica trazer para o interior, adquirir um conteúdo que é o próprio poder, a própria revelação.

Na China, todos os Templos taoístas chamam-se guan – o local onde se pratica a arte da contemplação, da meditação e onde surgem as revelações. Na meditação, a contemplação é um esvaziamento – o praticante tenta absorver sem julgamento. Assim as energias celestes e terrestres penetram dentro do seu ser através da visão silenciosa, no eixo da consciência, trazendo um poder, uma revelação.

O Yin Fu Ching diz que “contemplar o caminho do céu e praticar seu movimento, isto é o desígnio de plenitude”. O homem deveria contemplar o caminho do céu para entender como o destino celeste acontece e perceber as circunstâncias da sua vida. Assim, ele deveria caminhar unido ao céu. Quando o âmago do homem agir em conjunto com o âmago do céu, quando o sagrado do homem se unir ao sagrado do céu e a sua consciência for uma consciência celestial, ele terá harmonia e poder sobre os dez mil seres porque ele terá poder sobre o destino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *